8 sinais de que seu filho não é apenas “ativo”, ele na verdade tem Distúrbio de Déficit de Atenção

TDAH(Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade) é um termo para descrever vários transtornos do comportamento. Falta de atenção e excesso de energia podem apontar para o problema.

Você tem que tocar na criança, às vezes segurar o braço para que ela lhe dê atenção? Tem que falar olhando nos olhos? Seu filho parece um polvo com vários braços para pegar tudo que estiver ao alcance? Não para um minuto sequer?

Na escola o rendimento é baixo? Seu filho costuma ser uma criança gentil, mas simplesmente não consegue ficar quieto? Não presta atenção, perde o material escolar e nunca sabe se tem dever de casa ou não?

Não se sabe exatamente a(s) causa(s). Segundo a Sociedade Brasileira do Déficit de Atenção (ABDA), pode ser predisposição genética, substâncias ingeridas ou utilizadas na gravidez – como o tabaco; também pode originar-se de sofrimento fetal, exposição ao chumbo ou problemas psicológicos. Veja os sinais:

  1. Ele parece não ouvir, quando alguém fala com ele.
  2. Perde objetos escolares, brinquedos e outros constantemente.
  3. Tem dificuldades em se organizar ou organizar atividades.
  4. Não consegue ficar quieto, está sempre se remexendo, batucando ou “inventando” algo. Levanta-se da cadeira o tempo todo na escola ou em locais onde deveria permanecer sentado.
  5. Não consegue esperar a vez, seja para brincar ou falar. Atropela as falas dos outros ou completa suas frases.
  6. Interrompe ou se intromete nas conversas alheias; é mais curioso que o normal.
  7. Quer controlar tudo e todos, inclusive nas brincadeiras com outras crianças.
  8. Gosta de falar demais e busca atividades de risco como subir em árvores, descer pelo corrimão das escadas, etc.

Como lidar com a criança que tem TDAH, segundo a neuropsiquiatra Evelyn Vinocur

  • Evite a crítica, isso só piora o quadro
  • Crie rotinas e regras que ajudem a criança a se organizar
  • Trabalhe sua autoestima, elogie quando ela conseguir se comportar e reforce o positivo (sem exageros)
  • Use de empatia
  • Tenha uma dose extra de paciência e senso de humor
  • Jamais compare seu filho a outra criança (isso se aplica às que não tem TDAH também)
  • Siga o tratamento médico

Fonte: Família